Alexandra Moura – Epifania em Londres

Indecisa sobre o que deveria estudar, foi durante umas férias em Londres que Alexandra Moura, formada em Design de Moda pelo IADE, encontrou o seu rumo.
  • Início
  • Notícias
  • Alexandra Moura – Epifania em Londres
Alexandra Moura – Epifania em Londres
3 maio 2017
Indecisa sobre o que deveria estudar, foi durante umas férias em Londres que Alexandra Moura, formada em Design de Moda pelo IADE, encontrou o seu rumo.

Citando Jorge Fiel, rubrica Emergente in T Jornal

“Aos 15 anos e meio Alexandra Moura vivia na Figueira da Foz e era vanguardista. Vestia de preto dos pés à cabeça, calçava botas Doc Martens e a sua t-shirt preferida era dos Sonic Youth – uma das suas bandas de culto, tal como os Jesus and Mary Chain, Joy Division ou The Smiths.

Era vanguardista e tinha sérias dúvidas sobre o que deveria estudar. Filha de um bancário e de uma educadora de infância, Alexandra, 43 anos, nasceu em Lisboa, pssou a infância em S. João do Estoril, e mudou-se para a Figueira da Foz com a mãe no início da adolescência. Estava a concluir o Secundário na área A (Ciências) mas hesitava entre Biologia Marítima – e especializar-se em crustáceos (tinha também um fraquinho por golfinhos e baleias) – e a Astronomia, pois era uma apaixonada pelos mistérios do Universo e não falhava uma emissão do Cosmos, de Carl Sagan.

De férias em Londres, flanava numa livraria quando tropeçou num coffee table book de Rei Kawakubo, a designer japonesa que inventou a marca Comme des Garçons. Começou a folhear o álbum e deu-se o clique. Percebeu que comunicava com o mundo através da sua forma diferente de vestir – e que a sua vida ia muito provavelmente passar por ali. Era na moda que ia encontrar a resposta à necessidade que a sua cabeça sentia de criar novos mundos.

“Bateu-me”, diz Alexandra, resumindo numa palavra o efeito do livro de Rei que lhe mudou a vida e moldou o futuro. De repente, tudo ficou claro, e o amor pelas baleias e Via Láctea permaneceram no seu íntimo mas profissionalmente foram sacrificados no altar da moda.

Candidatou-se ao IADE. Apesar de querer muito entrar, na entrevista de admissão arriscou a contrariar as opiniões do professor Melo e Castro. A demonstração de personalidade compensou. No final da conversa, o poeta sossegou-a: “Não precisa de voltar cá para a semana, para saber os resultados. Tem o seu lugar garantido”.

Nunca se arrependeu da opção. Gostou do curso, que permanentemente a desafiava a pensar, procurar, e experimentar (“Para perceber, preciso de meter a mão na massa”). O primeiro dinheiro, ainda estudante no IADE, ganhou-o nas férias grandes, na Figueira da Foz. Durante o dia aprendia a lidar com malhas, num estágio da Scottwool, à noite servia às mesas numa esplanada em Buarcos. Todo o dinheiro que conseguia amealhar investia nas suas coleções. No final do curso, estagiou com Ana Salazar antes de começar a trabalhar no gabinete criativo de José António Tenente, onde se demorou quatro anos, sem nunca deixar de fazer as suas coisas, que arejava no Sangue Novo, da Moda Lisboa, ou nos Novos Talentos Otimus, com um sucesso encorajante. “O que eu realmente queria era fazer o meu percurso sozinha”, recorda.

Em cima da mudança do milénio, achou chegar a hora de levantar voo. Despediu-se de Tenente e abriu um atelier na Latina Coelho, em Lisboa. “Foi a decisão mais arriscada da minha vida”, confessa. A dureza das jornadas de trabalho, que ultrapassavam sempre os dois dígitos, era adoçada pelos aplausos. A primeira coleção, apresentada no Espaço Lab da Moda Lisboa, foi muito bem recebida pela crítica internacional, dando o tom para o que tem sido a sua carreira a solo.

A partir daí, tem sido sempre a subir. Desenhou as fardas para as lojas Atlantis Crystal, iniciou em Barcelona, um percurso internacional que já a levou a desfilar em Londres, Paris, Madrid, Viena e Copenhaga, expôs no MUDE, tratou da roupa de digressões de Sónia Tavares (Gift), Teresa Salgueiro e Gisela João, colaborou com Joana Vasconcelos, criou merchandising para a StartUp Lisboa e desenhou figurinos para a Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo – e ainda arranja tempo para dar aulas na ESART, em Castelo Branco. Entre muitas outras coisas.Agora que tem a sua roupa à venda em algumas lojas icónicas, em Tóquio, Kuwait, Xangai ou Barcelona, o foco de Alexandra está na consolidação da internacionalização da sua marca. “Fui sempre melhor entendida lá fora”, explica Alexandra – o que até se compreende, pois a epifania que a empurrou para a moda deu-se em Londres, numa livraria…."

Share

Av. Dom Carlos I, 4

1200-649 Lisboa. Portugal

+351 213 939 690

© 2023 IADE. Todos os direitos reservados.