A dois tempos: Para onde vamos agora?

Algures na década de 1980, o psicólogo norte-americano James Flynn observou que, para a média se manter no mesmo valor comparativo, os testes de inteligência padronizados — aqueles que medem, genericamente, o quociente de inteligência da população — eram periodicamente recalibrados
  • Início
  • Blog
  • A dois tempos: Para onde vamos agora?
A dois tempos: Para onde vamos agora?
17 maio 2021
Algures na década de 1980, o psicólogo norte-americano James Flynn observou que, para a média se manter no mesmo valor comparativo, os testes de inteligência padronizados — aqueles que medem, genericamente, o quociente de inteligência da população — eram periodicamente recalibrados

Algures na década de 1980, o psicólogo norte-americano James Flynn observou que, para a média se manter no mesmo valor comparativo, os testes de inteligência padronizados — aqueles que medem, genericamente, o quociente de inteligência da população — eram periodicamente recalibrados.

Ao analisar os dados em bruto, Flynn notou algo que tinha, até então, escapado à comunidade científica: o aumento das pontuações ao longo do século XX, e em vários países, era dramático. Tão dramático, que se podiam identificar saltos concretos entre gerações consecutivas.

Excerto do artigo de opinião de João Campos docente do IADE - Faculdade de Design, Tecnologia e Comunicação da Universidade Europeia, para o Gerador. O artigo completo está disponível aqui.

Share

Av. Dom Carlos I, 4

1200-649 Lisboa. Portugal

+351 213 939 690

© 2023 IADE. Todos os direitos reservados.