SOFIA ALVES - Criar padrões que falam por si

Sofia Alves estudou no IADE, onde se licenciou em Design Gráfico e Design Industrial, viveu no Reino Unido, no Brasil e percorreu a Ásia, mas escolheu instalar-se na lisboeta Mouraria, onde desenvolve um projeto próprio de pintura que, de forma artesanal, cresce para se tornar um padrão impresso.  
  • Início
  • Notícias
  • SOFIA ALVES - Criar padrões que falam por si
SOFIA ALVES - Criar padrões que falam por si
8 março 2017
Sofia Alves estudou no IADE, onde se licenciou em Design Gráfico e Design Industrial, viveu no Reino Unido, no Brasil e percorreu a Ásia, mas escolheu instalar-se na lisboeta Mouraria, onde desenvolve um projeto próprio de pintura que, de forma artesanal, cresce para se tornar um padrão impresso.  

Transcrevendo Ricardo Santos Ferreira no Jornal Económico,

Aquilo a que chamamos caos são apenas padrões que não reconhecemos; o que designamos como aleatório são apenas padrões que não podemos decifrar", afirma Chuck Palahniuk, escritor que se tornou conhecido quando o seu livro Fight Club (Clube de Combate) foi transposto para o cinema e se tornou um filme de culto. Para Sofia Alves, o desenho de padrões é um projeto de vida que toma forma, agora, numa startup que já merece reconhecimento, tendo sido premiada com o primeiro lugar na primeira edição do Programa de Acelera- ção das Indústrias Criativas, em Lisboa. "Desde sempre que adoro pintar e criar. Mas sempre tive a ideia de querer transportar as pinturas para fora de quatro paredes, de lhes atribuir uma utilidade, de lhes dar uma vida. Então, foi natural o início de pesquisa e estudo de como o poderia fazer", conta Sofia Alves ao Jornal Económico, explicando que, no início, está sempre a pintura, que evolui para se transformar num padrão. E onde encontramos os padrões pensados por Sofia Alves? Em t-shirts e camisolas; em chapéus; em caixas; em capas de livros; em biquinis, para o verão, com uma nova colecção que será conhecida agora, durante o mês de março. O objetivo, esse, é criar uma marca com voz própria: "Criar unia marca, uma identidade, que fala por si, e que se consegue fazer reconhecer sozinha. Conseguir que a marca Sofia Alves Design e os seus padrões e pinturas estejam presentes em vários formatos em diferentes lugares do mundo. Que os meus padrões sejam requisitados para representar e preencher a maior quantidade de espaço e vazio que exista", aponta, sublinhando que esse sonho se concretiza destacando-se pela originalidade. "Quero fazer reconhecer o meu trabalho pela sua expressão única e singular, chegar a um número grande de pessoas, conseguindo manter sempre a liberdade de criar o que eu sinto e vejo", afirma.

Ultrapassar os limites 
Sofia Alves estudou em Portugal, no IADE, onde se licenciou em Design Gráfico e Design Industrial. Passou pela Escola de Moda de Lisboa e estagiou no atelier do estilista Filipe Faísca. Mas não se ficou por aqui: também esteve no Brasil, no Recife, a estudar design de interiores, e no Reino Unido, onde completou o mestrado em Design Têxtil, no Chelsea College of Arts. Foi em Londres que aprendeu a ultrapassar limites. "[Este tempo] ensinou-me, acima de tudo, que não há barreiras nem limitações no ato de criar, de ser criativo", diz. O projeto de Sofia Alves é uma das startups da Incubadora de Artes Criativas do Centro de Inovação da Mouraria, onde a designer é uma das empreendedoras residentes, desenvolvendo caminhos para a concretização de padrões de forma manual e artesanal. Fazer o que faz, nesta época, é uma vantagem: estamos aqui, mas o mercado é o mundo, que está sempre ali, ao alcance de um meio tecnológico. "Uma vantagem de se trabalhar como designer de padrões e com formatos digitais é que é bastante fácil chegar ao mundo inteiro, mesmo não saindo do país", explica. E é dificil ser desenhadora de padrões em Portugal? Sim, mas... E explica a sua vivência nesta profissão: "Iniciei este projeto há dois anos e desde então que se têm criado novos interesses e apostas na área das Artes e Indústrias Criativas, e, em Lisboa, tem-se notado bastante nos últimos anos: com a criação de bolsas e financiamentos, abertura de novos espaços, investimentos, eventos e muito mais. Nós agradecemos pelas oportunidades, mas é preciso que os portugueses, que constituem e mantêm empresas e participam no crescimento do país acreditem e valorizem ainda mais o trabalho artístico que existe em Portugal, que acreditem no valor que isso acrescenta aos seus negócios", afirma. "E que apresentem valores que sejam justos para os profissionais de design", acrescenta.

Share

Av. Dom Carlos I, 4

1200-649 Lisboa. Portugal

+351 213 939 690

© 2023 IADE. Todos os direitos reservados.